segunda-feira, 11 de outubro de 2010

"Adeus", por Eugénio de Andrade

Sempre quis escrever sobre o sentimento de desprendimento e indiferença que (infelizmente) se cola a nós no fim de um relacionamento ... como olhamos de forma tão diferente para a nossa paixão, depois de o amor acabar ... faltavam-se-me as palavras, Eugénio de Andrade encontrou-as por mim ... 


 Adeus

«Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.»


(Eugénio de Andrade)

4 comentários:

  1. Querida Isa, esse "nós" devia ser substituído por alguns... e para recordar-te tive que regressar ao segundo texto que escreveste, desde que iniciaste o blog:

    "Desde muito novo que tive o privilégio de sentir o Amor e, até hoje, não arrefeceu, não desapareceu, muito menos alterou-se com o meio. O Amor que sinto acompanha-me como um vírus cravado no coração. Jamais irá desaparecer enquanto eu viver porque nunca permitirei que a racionalidade e as coisas da vida deturpem a genuinidade do verdadeiro "Amor".
    Em jeito de conclusão tenho uma confidência para ti. Amei algumas pessoas nesta vida e o amor por elas nunca desapareceu..."

    A propósito disto acrescento que ser assim é ser irracional e leva-nos a arrependimentos e sofrimentos,mas é BOM.

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que sentes isso, Bruno, porque eu não consegui preservar a amizade que tinha com todas as paixões que têm passado pela minha vida. Para mim, o afastamento faz parte do processo de cura, e depois o tempo encarrega-se de aumentar a distância ... e ficamos como dois estranhos. Mas cada um gere uma ruptura da maneira que sabe ... beijo grande!

    ResponderEliminar
  3. Acho que já vai sendo altura de nos presenteares com um novo texto, não? Beijocas

    ResponderEliminar