terça-feira, 30 de junho de 2009

As Ânsias do Amor - PARTE II

Numa altura em que cada vez mais me sinto a afundar num mar de incertezas sobre se algum dia irei ser atingida pelo Cupido (sem que isso me faça sofrer mais do que a solidão de estar solteira), ponho-me a pensar se estarei a tomar o caminho certo ...
Sei que aprendo a cada erro, a cada tentativa falhada de relacionamento, mas não me parece servir de muito ...
Acho que a adolescente que ainda vive em mim gostava de acreditar que é possível alguém apaixonar-se pela minha alma à 1ª vista e conseguisse sentir (não me perguntem como, só tenho a teoria) que sou uma boa menina, com o coração a transbordar de amor e carinho, que até dói reprimir dia após dia ... um cenário idílico e preferível à realidade, em que me olham com a desconfiança de muitas mágoas causadas por outras mulheres ...
Às vezes acho que há demasiados homens que magoam propositadamente e sem razão quem não merece, por não conseguirem atingir quem realmente queriam ... e cospem desprezo e indiferença a quem nunca lhes fez mal, perdendo muitas vezes a oportunidade de conhecer alguém decente e verdadeiro que, quem sabe, lhes podia voltar a ensinar o significado do Amor puro e desprendido ... sem pressões, nem egoísmos ... que só quer dar e dar ...
A verdade é que é difícil estar sozinha, apesar de rodeada pela família querida e amigos inacreditáveis, e continuo a jogar-me de cabeça e achar que vai resultar, à primeira conversa mais simpática, a um olhar mais intenso ou mesmo depois de um beijo roubado que nos deixa com um sorriso parvo (mas que tentamos disfarçar com uma indignação digna de actriz) ...
E insisto em seguir o coração tolo e irresponsável, que ignora o "grilo falante" sentado no ombro, que me sussurra ao ouvido para ter calma, aquietar a imaginação demasiado sonhadora, e aguardar pacientemente que o "Big Love" me descubra ...
Quero encontrar alguém diferente, especial, mas a soma de desgostos leva-me a ponderar no que tenho feito, nas decisões adolescentes e precipitadas que tomo, por ser uma romântica incurável que pensava ser bem mais fácil trilhar os caminhos do Amor ...
É este o resultado de ler tantos romances de cordel quando era mais nova, pois a vida nem sempre corre como esperávamos e tenho aprendido que por mais que deseje ser amada com toda a força do meu ser, isso não significa que o consiga ...
E agora, depois de mais uma desilusão, dou por mim a compreender o que um grande amigo me disse um dia: "conhece a pessoa com que te queres envolver".
Na altura, não percebi o conselho, mas agora vou percebendo a importância de investir na amizade, antes de me apaixonar irremediavelmente ... de ter uma base mínima de conhecimento (que convém ser mútua), antes de deixar escorregar do juízo as reservas e desconfianças ...
Isso porque o amor à 1ª vista só resulta nos filmes, e na vida real, o entusiasmo inicial ... intenso e inebriante ... esfuma-se rapidamente, tal como começou, deixando pelo caminho uma tristeza não tão momentânea ...
Custa-me a reconhecer que o romantismo nem sempre me ajuda a pensar claramente, e que o meu eterno optimismo me faça colorir em demasia faíscas ainda prematuras, que precisam de tempo para amadurecerem e poderem tornar-se no mais belo sentimento do mundo, aquele pelo qual tanto anseio ...
Vou tentar interiorizar o sábio conselho do meu amigo, mas nunca me tornarei demasiado adulta e realista, pois não sei o que será de mim se mudar a forma que tenho de ver as coisas, tantas vezes ingénua, mas sempre genuína ...
Não sei mesmo o que seria de mim se não continuasse a querer ver e esperar o melhor das pessoas ...
Se deixasse de acreditar que vou encontrar a alma gémea, ao som da minha canção favorita ...
Se permitisse que os amores falhados que vou testemunhando me destruissem a esperança ...
Pois é ... se calhar são as minhas pequenas ilusões, divertidas e malucas, que me fazem continuar a lutar pela felicidade e a saber que todos têm direito ao seu "happy end", por mais tempo que leve ...
E se eu não desisto, também não deixo ninguém baixar os braços ... e vou continuar a "tocar" todos os que me são especiais com a seta do Cupido ... um dia vai chegar a minha vez :)

segunda-feira, 29 de junho de 2009

As Ânsias do Amor - PARTE I

Cada vez mais me convenço de que amar alguém é uma das tarefas mais difíceis que alguém pode querer levar a cabo ...
Quando está tudo bem, é o melhor sentimento do mundo, parece que levámos com uma injecção de felicidade, cujo efeito nunca parece passar, e que nos faz sentir que afinal, era possível acontecer-nos a nós :)
Mas quando amamos e não somos correspondidos, começa o tormento ... uma dor de alma que não pára nem a dormir, nem a comer, nem a passear, simplesmente não pára ... e consome-nos ... dia e noite, substituindo a lembrança dos dias de puro contentamento, por uma dolorosa picada constante ...
Outro dia, ouvia o desabafo de um apaixonado que encontrou a sua alma gémea, com quem viveu uma história de amor como aquelas que vemos nos filmes ... eram apelidados de "casal perfeito", e com ela, ele aprendeu a saborear a vida e todos os seus maravilhosos detalhes com uma intensidade até então desconhecida ...
Confessou-me que a sua amada o tornara uma pessoa melhor, mais sensível e menos distante, e que tinha mesmo a certeza de ter encontrado a mulher ideal para partilhar o resto da vida ...
Infelizmente, as certezas não eram mútuas ... julgo que a maioria ficaria assustada com um sentimento tão belo e avassalador, quando não sente o mesmo ... é preciso ter coragem para deixar-se levar e arriscar na mais louca aventura de sempre.
Pois ... o "casal perfeito" separou-se, mas ele não se conforma ... não depois de ter encontrado o que tantos procuram, às vezes durante uma existência inteira! E é com um brilho nos olhos, que ele me afirma, sem vacilar, que não está disposto a desistir do grande amor da sua vida.
Não sei as razões dela, mas gostava de acreditar que este "encontro de almas perfeitas" vai ter um final feliz, porque seria muito triste se uma história tão linda e mágica terminasse assim, como se de um sonho se tratasse, e agora fosse altura de acordar, na mesma cama fria e vazia de todos os dias ...
No pior dos cenários, já disse a este apaixonado, que mesmo que as coisas não corram como ele espera, ninguém lhe pode tirar o tempo que passou com ela, e a recordação desta menina especial, com quem aprendeu o que significa gostar de alguém mais do que a própria vida e estar disposto a tudo, para a ver feliz ...
Aborrece-me só o poder ajudar com palavras, gostava de fazer mais, mas não posso interferir ... nestas situações, ou se sente, ou não se sente e ninguém merece um afecto morno, quando se entrega de olhos vendados e coração inteiro, escancarado de sentimento ...
Há porém uma pergunta que me inquieta e para a qual não tenho resposta, por mais que tente: "quando desistir?" ... quanto tempo terá de passar para percebermos que não vale a pena continuar a insistir?
Este apaixonado luta e desespera por este amor há meses, e não obtém mais do que sinais confusos, mas nunca um primeiro passo ... se ele sucumbir à repetida nega, passará definitivamente a fazer parte do passado dela, da alma gémea que nunca pensou sequer existir?
Já estive na mesma situação ... nunca quis pressionar o moço nem encostá-lo à parede, pedindo uma prova de amor, uma prova de interesse, porque sempre soube no meu íntimo, que ela me seria recusada ... por ter tanto medo desta verdade dolorosa, acabei por nunca saber até que ponto ele gostava de mim ...
Penso que este é o principal problema deste apaixonado, a quem eu tentei fazer ver que, se ele tem receio que a sua amada falhe o derradeiro "teste" (ainda que deteste esta palavra!) e o deixe sair da vida dela, sem luta, será ela merecedora do sentimento que ele lhe oferece? Ele acha que sim, como eu também já achei em tempos ... até o copo transbordar ... mas até lá, quanto mais sofrimento e mágoa terá ele de aguentar? Já não sei o que pensar, digo-lhe simplesmente que siga o coração e persista, enquanto acreditar no amor de ambos, e ver o que acontece ...
Mas estas ânsias do Amor, levam-me a outro desabafo, que agora dói demais escrever ... depois quem sabe ... resta-me a esperança, como sempre ...

segunda-feira, 22 de junho de 2009

As Espécies Raras :)

Sabem quando, depois de repetidas desilusões, nos começamos a questionar sobre se alguma vez iremos encontrar o Amor? E que por mais que queiram ajudar, não facilita os amigos do peito repetirem até aos ouvidos doerem "não procures, porque quando menos esperares, ele encontra-te ..."?
É uma seca ... mas a minha explicação é muito simples, acho que o mundo anda ao contrário!
Porquê? Porque por aquilo que eu constato, homens e mulheres sem escrúpulos e sem carácter, que só querem brincar com os sentimentos alheios, nunca estão sozinhos ... enquanto que pessoas íntegras, decentes e sensíveis, e com o coração a transbordar de amor, deambulam de mágoa em mágoa ...
Conheço vários casos, de "espécies raras" ... tão especiais e únicas, mas a quem a sorte ainda não bateu à porta ...
Tenho um amigo que é uma das melhores pessoas que conheço e que já encontrou a sua "princesa", uma menina 5 estrelas, mas que está tão "escaldada", que ainda não se sente preparada para deixar que o mais belo sentimento do mundo volte à sua vida ...
Acho graça quando ele me diz que a mulher perfeita tem de ter três qualidades, nesta ordem: coração, inteligência, beleza, e depois, com um sorriso resplandecente, me confessa que encontra esses talentos e muitos mais na sua princesa, mas aguarda, pacientemente, que ela o veja com os olhos do coração e não com os da amizade ... uma dedicação que me impressiona :)
Conheço outra "espécie rara", que tem tudo o que o sexo oposto poderia desejar: simpatia, inteligência, estabilidade e independência ... demasiado modesta e a precisar de uma dose reforçada de confiança, é um ser humano decente e bondoso, mas que ainda procura a alma gémea ... anda aí muita gente cega!
E não entendo, palavra que não, como é que homens e mulheres assim não têm uma legião de fãs, a fazer fila à porta de casa! É que são bem poucos!!
Um destes moços disse-me uma vez que o pouco sucesso com o sexo oposto poderia ser por não ter a aparência do Brad Pitt e só me apeteceu bater-lhe (desculpa, mas apeteceu!) ... se vocês soubessem que há tantas mulheres que preferem um coração de ouro a certas belezas ocas, não diriam esses disparates ...
Acreditem em mim quando afirmo que prefiro um homem interessante a um modelo de revista, e que fico mais exultante quando me elogiam a escrita ao invés do sorriso ...
Outro dia ouvi alguém dizer: "A beleza exterior só conta no início, depois passa a ser secundária" e lembrei-me das inesquecíveis palavras d´ O Principezinho ... "só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos" ... lindo, não é?
Dito isto, e para não pensarem que o meu romantismo está a perder vitalidade, conheço uma outra espécie rara que está a trilhar o caminho da felicidade, lentamente, mas segura :)
É uma menina de sorriso meigo e olhos cor do céu, que com a sua paciência e doçura está a conseguir conquistar um homem que à partida parecia agreste e distante, mas que tem vindo a revelar a timidez e insegurança de um rapaz grande, que tem uma vida difícil, e que só precisa de quem lhe transmita a segurança de um Amor sem barreiras, idades ou preconceitos ...
É por saber que esta história do "Soldadinho de Chumbo" e da sua Bailarina está a ter um final feliz (ao menos esta!), que eu renovo os votos na esperança de que vai correr tudo bem às espécies raras, pessoas que tal como eu, ainda não tiveram a chance de encontrar outra espécie semelhante ... de coração puro e sentimentos nobres ...
Acho que tenho de magoar mais um pouco os ouvidos, e escutar os amigos que não se cansam de acreditar que o Amor me vai encontrar :)

sexta-feira, 19 de junho de 2009

A Abordagem Certa

Achei extremamente curioso ler no jornal os resultados de uma pesquisa realizada numa universidade na Pensilvânia, segundo a qual os homens preferem uma abordagem directa quando recebem o elogio de uma mulher ...
De acordo com esse estudo, os homens sentem alguma dificuldade em entender os sinais que indicam o nível de interesse que uma mulher pode ter em relação a eles, mesmo que a linguagem corporal dela seja convidativa.
Deixou-me a pensar em algo que já me disseram há algum tempo, mas que eu sempre me recusei a acreditar: "Alguns homens dizem-te o que for preciso para conseguirem o que querem de ti" ...
E eu não quero pensar que isto é verdade, porque sempre me regi pelos princípios da honestidade e da frontalidade, e quando quero algo (ou alguém), não me ponho com joguinhos, simplesmente digo-o e luto por isso ... e aborrece-me mesmo que alguém me tente retirar o poder de decisão, só para se divertir um pouco ...
O que não entendo é porque é que (muitos) homens assumem sempre que lhes vamos dar uma nega se nos contarem as suas reais intenções?! Nem todas as mulheres querem encontrar o príncipe encantado, casar e ter filhos ... às vezes, tal como certos homens, só queremos passar bons momentos, com o prazo de validade à vista.
Acho que é o eterno "jogo do gato e do rato", o predilecto de tantos moços que gostam de exercitar os dotes de sedução e saber que, se quiserem, conseguem levar "aquela menina específica" para a cama, com palavras bonitas e promessas que não tencionam cumprir ...
Eu gosto de saber com o que é que posso contar, quer me agrade ou não, porque assim posso decidir de "olhos abertos" ...
E quando reflectia sobre os resultados do estudo, cheguei à conclusão de que, mais do que uma abordagem directa, prefiro uma sincera ... mas infelizmente, vou percebendo que o álcool deturpa as verdades, e que a paixão de uma noite parece bem menos inflamada e glamorosa no dia seguinte, ao raiar do sol, e depois ... as desculpas do costume, "hoje já tenho planos, encontramo-nos noutra altura", pois ... pois ...
Mágoas à parte, continuo a defender o mesmo ... a verdade ... considero-me uma pessoa compreensiva e entendo que as pessoas têm o direito a mudar de opinião, a não sentirem as borboletas na barriga quando a cabeça lateja por causa da ressaca, mas não me tentem enganar ... simplesmente digam-me!
Não gosto de perder tempo com quem não sabe o que quer, porque eu sei ... e agora, melhor do que nunca :)
E ponto final!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

A gota de água ...

Sabem aqueles casais que parecem perfeitos?
Dão-se super bem, são bonitos, inteligentes, estão juntos há anos e até já dividem um apartamento?
E um dia, sem ninguém perceber porquê, terminam a relação ... os amigos ficam estupefactos ... nem sabiam que eles tinham problemas e acabam? Sem mais nem menos?!
Pois é ... mas eu tenho a teoria da "gota de água" ...
Tenho um casal amigo que encaixa a 100% nesta descrição, já não falo com eles há algum tempo, mas hoje lembrei-me deste assunto, nem sei porquê, mas preciso de desabafar ...
Se conhecessem o meu amigo, ficavam a adorá-lo ... é giro, simpático, encantador mesmo, e toda a gente é da opinião que adora a cara-metade acima de tudo, que está sempre a mimá-la e que não há nada que não faça por ela, só para a agradar ...
Quanto a ela, é um doce, inteligente ... uma das melhores amigas que alguém pode desejar, mas quem a conhece mais atentamente, consegue ler-lhe no rosto a tristeza que lhe vai no coração ... ela não é feliz, e o motivo é o extremo egoísmo do "fabuloso" mais que tudo ...
A ele, reconheço-lhe todas as qualidades e mais algumas, enquanto amigo ... já enquanto companheiro ... trata-a bem, ouve os conselhos que ela lhe dá ... mas na hora da verdade, quando a minha amiga mais precisa dele, revela-se um insensível sem precedentes, incapaz de tentar sequer fazer um esforço para a tentar compreender e ajudar ...
Para mim, o amor revela-se nas dificuldades, quando estamos na "mó de baixo" e mais vulneráveis ... é nessas horas que o nosso namorado/marido não pode falhar mesmo, porque se a pessoa a quem nos entregamos de corpo e alma não nos agarra a mão que, em súplica, estendemos a pedir apoio, como podemos alguma vez confiar que ele nos vá amparar no futuro? Sabem ... é que, às vezes, a indiferença consegue ser bem pior que um estalo na cara ...
Não entendo porque é que custa tanto a certos homens perceberem que, de vez em quando, as mulheres só querem colo, que cuidem delas quando estão doentes, e que sejam solidários com as dores femininas que o sexo masculino nunca vai experimentar ... por mais forte que nos achem, a dor afecta-nos ... consome-nos, e precisamos que estejam lá para dizer que vai correr tudo bem, mesmo que seja mentira ...
Mas como ele não entende, a minha amiga vai sofrendo a cada dia que passa, o coração vai emagrecendo a cada nova desilusão, a cada nova humilhação ... mas sempre na expectativa que ele mude e a trate com o mesmo amor e consideração que ela lhe dedica ...
Sei bem a sensação de nos sentirmos enclausuradas numa relação e, todos os dias ao acordar, inspirar do fundo da alma, e fazer novo esforço para acreditar (iludindo-nos) que hoje vai ser diferente ... que nesse dia ele vai ser mais sensível e preocupar-se ...
E quanto à "gota de água"?
O meu copo já transbordou há um par de anos, mas este meu casal amigo, pelo que sei, ainda continua "de pedra e cal" ...
Se calhar, no caso dela, a gota de água está presa no canto do olho, à esperança, lutando para não sair de rompante e acabar finalmente com um relacionamento vivido a dois, mas em que só um se importa ...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Timidez, a quanto impedes ...

Tenho vindo a matutar neste assunto há já algum tempo, naquela timidez tão extrema e crónica, que consegue dificultar grandes paixões de se concretizarem ...
Apesar de ninguém acreditar em mim quando o afirmo, sou tímida (não vale rir, sou mesmo!), mas esforço-me por ultrapassar este problema tentando ser engraçada, o que nem sempre acaba por resultar ;)
É sempre a mesma coisa ... com os meus amigos sou uma tagarela imparável (que às vezes precisa de se lembrar que um diálogo é feito a dois, hehehe), mas quando encontro o alvo da minha afeição, ui! ... nada, a minha mente esvazia como um balão que perde o ar ... o cérebro deixa de funcionar e só consigo balbuciar palavras parvas e falar do tempo ... e quando a conversa acaba, só me apetece esbofetear-me pelas tolices ditas e fico sempre convencida de que aquele foi o primeiro e último encontro ...
Acredito que isto não me acontece só a mim, e tenho um amigo cuja timidez é grave ... tão grave ao ponto de impedir mesmo um leve sorriso quando na presença da "mais que tudo". A cara dele parece que se transforma numa máscara inerte, muda, e que não deixa transparecer a felicidade interior, radiosa e saltitante por a ter encontrado ...
Uma paixão que infelizmente é facilmente confundida com indiferença, já que o nervosismo e a timidez impedem que ele responda aos sinais de interesse que ela lhe envia, e não consiga sequer começar uma conversa, dizer um "olá". Penso que ela também sofre do mesmo mal, o que ainda dificulta mais este bloqueio ...
E eu, uma romântica incurável, pergunto-me, como é que dois tímidos, que gostam um do outro (é que é mesmo óbvio!) se entendem? Se nenhum dá o 1º passo e consegue ultrapassar a timidez, será este um amor impossível?
Recuso-me a aceitar esta ideia, porque há quem passe uma vida inteira à procura da sua cara metade e estes dois já andam neste "vai, não vai" há quase dois anos! São fiéis sem compromisso, e sem sequer se conhecerem! Acho isto incrível e posso mesmo arriscar dizer que eles foram feitos um para o outro :)
Quando estes meninos estão no mesmo espaço, por mais pessoas que estejam, eles conseguem sempre encontrar-se ... uns olhares de soslaio, mas que não conseguem descolar ... e depois do primeiro olhar, passam só a existir eles e mais ninguém ...
A atracção é tão forte que até irrita! Na discoteca, vão-se aproximando sem querer e quando reparam, já estão costas com costas, a roçar um no outro, como se fosse um carinho especial e só deles ...
Nunca soube de uma paixão assim ... calada, mas tão cúmplice e parecendo tão vivida ... o meu amigo fala dela como se fosse uma antiga conhecida com quem perdeu o contacto, mas que conhece como a palma da mão ... reconhece o cheiro e a suavidade da pele ...
Eu sei, sou lamechas, mas fico frustrada porque sei que a maior parte de nós sonha com um sentimento assim e ele tem-no ali, tão perto e ao mesmo tempo ... tão longe ...
Quero mesmo que esta história tenha um final feliz, e por isso escrevo este desabafo para ver também se obtenho uma luz, alguma clarividência para ajudar o meu querido amigo a calçar o sapato a esta "Cinderela" ...
Ideias, sugestões ... precisam-se! Mas já vou avisando que ideias brilhantes como empurrá-lo para cima dela na discoteca, com copos de bebida cheios na mão, não são opções e já foram tentadas ... ups! Vivendo e aprendendo, hehehe ;)

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Quando é que a magia acaba? PARTE II

O meu desabafo de hoje é sobre relacionamentos que acabam sem uma explicação plausível ...
Todos conhecemos um amigo ou amiga que teve uma relação que terminou de forma inconclusiva e em que a pessoa "abandonada" nunca percebeu bem o que é que aconteceu ...
Infelizmente, conheço algumas, e uma amiga em particular, que conheceu há tempos o homem perfeito: inteligente, com alma de poeta, super carinhoso, divertido e simpático ... fazia-a feliz e ela andava nas nuvens, começava mesmo a achar ter encontrado, finalmente, a sua cara metade.
Eis senão quando chega um belo dia, ele deixa de lhe atender o telemóvel e responder aos sms. Sem mais nem menos, sem qualquer discussão prévia, estavam a dar-se lindamente!
Passados uns dias, esta minha amiga começa a pensar que aconteceu algo e insiste nas ligações e mensagens escritas, recebendo apenas ... silêncio ...
Passou-se um mês, e ela sem receber notícias dele, nem nenhuma justificação para tanta indiferença e desprezo, e o pior, sempre na expectativa de que ele mudasse de ideias, fosse sensato, e tentasse reatar com ela, alegando insanidade temporária (teria de ser uma teoria recambolesca para explicar esta atitude, certo?) ...
Moral: a história não acabou bem e agora estão mesmo separados, ela está arrasada e ainda não teve direito a uma conversa franca, adulta, e em que ele abrisse o coração e alma e lhe dissesse olhos nos olhos o que se passara ...
E eu, que gosto imenso desta amiga e confidente, sofro com ela e sinto cada lágrima gorda que lhe escorrega no rosto quando fala dele, como se fosse minha ... já passei por uma situação idêntica e sei bem a sensação demolidora deste tratamento de silêncio ...
Se os homens que fazem isto às mulheres soubessem como nos sentimos ... até acho que imaginam, mas não querem saber: passamos de uma fase inicial em que pensamos estar paranóicas e que ele ainda não ligou por não ter saldo ou "até pode ter perdido o telemóvel, coitadinho!!", para a fase seguinte de ficarmos preocupadas "será que lhe aconteceu algo? partiu uma perna e está incomunicável no hospital!!" (coitadinho outra vez!! até ficamos com pena deles) ...
Pois, pois, mas de volta à vida real, não aconteceu mal nenhum (nunca acontece), se eles realmente quisessem falar connosco arranjavam forma ... ou pediam o telemóvel emprestado a alguém, mandavam um e-mail, ou iam ao nosso trabalho ...
A verdade nua e crua? A magia acabou e eles não têm pachorra nem coragem para nos dizer ...

Os motivos? Talvez a imaturidade deles, não estavam preparados para um novo relacionamento, talvez ainda gostassem da namorada anterior ou se calhar, não gostavam assim tanto de nós ...
Inclino-me mais para este último motivo, porque acho que se a pessoa com quem partilhámos experiências, trocámos carinhos e confidências, ainda que por pouco tempo, não tem sensibilidade e consideração para uma conversa sincera para confessar porque é que tudo acabou, então é porque nunca gostou o suficiente de nós ...
O que mais me incomoda é não saber o que realmente se passou, até podia ser a razão mais estúpida ou inconcebível do mundo ("cheiras mal dos pés!"), mas ao menos uma pessoa consegue perceber, aceitar e ultrapassar ... e depois compra um desorizante para acabar com o chulé ;)
Brincadeiras à parte, sei que a maior parte de nós, mulheres, imagina todos os cenários e mais alguns no que toca aos assuntos do coração e conseguimos ficar obcecadas com a mínima coisa, e é por isso que muitas de nós não conseguem ultrapassar muito bem uma nega mal explicada ...
Para mim, a pior parte são as consequências, o coração volta a fechar, a esperança a encolher e a certeza de irmos encontrar a pessoa certa a ficar ainda mais envergonhada ...
Chego à conclusão que, às vezes, nunca vamos ter a explicação desejada, o motivo esclarecido, e temos de aprender a lidar com isso e seguir em frente, por mais que nos custe ...
Tenham eles razão ou não em terminarem tudo, nem sempre podemos saber o porquê, se foi algo que fizemos mal, uma atitude mal interpretada ou um mexerico maldoso ... há que aceitar e pronto! É a vida ...
O caminho do Amor é duro, e ainda fica mais difícil com homens "criança", que não respeitam as mulheres o suficiente para pôr as cartas na mesa ... continuo a esperar que estes sejam a excepção e que a "regra" esteja novamente a ter dificuldades em ler o mapa para me encontrar, e a outras românticas, mulheres a 100%, que tal como eu, ainda acreditam que é possível viver um grande amor :)